A luta dos cientistas do Brasil para escapar do congelamento de 20 anos

_dsc8415

O orçamento para a ciência do Brasil encolheu em mais de 40% nos últimos três anos. Mas os pesquisadores estão tentando escapar de uma crise ainda pior: os gastos federais com ciência poderiam ser congelados no seu nível atual (baixo) para as próximas duas décadas, de acordo com uma emenda constitucional que limitaria os gastos públicos apenas ao nível da inflação.

Artigo Traduzido Livremente  : Brazil’s scientists battle to escape 20-year funding freeze

Em 16 de novembro, 19 instituições representativas do ensino superior e de pesquisa enviaram uma carta ao senado pedindo que os políticos excluíssem a ciência e educação da PEC, que é prioridade legislativa do presidente Michel Temer. A alteração foi aprovada na Câmara do congresso nacional do Brasil no mês passado; Senado deve votar nele até o final deste mês.

Se a emenda for aprovada isso possivelmente marcará “o fim da ciência no Brasil” adverte o físico Luiz Davidovch, presidente da Academia Brasileira de Ciências, que é co-autor da carta

Ciência em crise

O gasto público no Brasil não precisa ser refreada, diz Carlos Américo Pacheco, presidente-executivo da Fundação de Pesquisa São Paulo, uma agência de ciência financiamento do Estado. “É um remédio amargo, mas é inevitável: você não será capaz de corrigir as finanças públicas sem um grande esforço para cortar despesas”, diz ele.

Mas os cientistas dizem que eles tiveram bastante dor. Em 2013, o orçamento para a ciência ministério foi de 7,9 bilhões de reais.. Depois que a economia caiu, ele agora caiu para 4,6 bilhões de reais – o nível mais baixo em sete anos (Ver figura abaixo) e o menor em uma década quando a inflação é contabilizado. E isso inclui o orçamento do Ministério das Comunicações, que Temer se fundiu com o ministério da ciência para criar o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), quando ele assumiu o cargo em maio.

nature-brazil-12-may-16-v2
Orcamento do MCTI proposto e gasto entre 2010 e 2016.

Como resultado dos cortes, alguns cientistas brasileiros deixaram o país; outros estão fazendo(milagres) com menos financiamento. E os funcionários em grandes instalações planejadas como Reator Multipropósito Brasileiro(850 milhões) – que tem como um dos objetivos gerar radioisótopos médicos e/ou o laboratório nacional de luz sincroton (510 milhões) ainda não receberam os fundos de 2016.

Congelar o orçamento da ciência a estes níveis baixos poderia ser desastroso, diz Helena Nader, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Gastos federais com ciência é atualmente de 1,1% do produto interno bruto do Brasil (PIB), mas esse número cairia se gastos é congelado e PIB cresce ao longo dos próximos anos. Nader compara com os gastos ciência na China, que está prevista para crescer de 2,1% do PIB agora para 2,5% em 2020( sobre isso falei em outro texto que pode ser lido aqui : Não falemos de crise, falemos de ciência!).

O MCTIC diz que a alteração não afeta necessariamente o orçamento da ciência. Ciência pode até obter mais dinheiro – desde que outras áreas do financiamento federal recebem menos. Mas os críticos dizem que isso é improvável em um país com outras necessidades urgentes como a educação básica, saúde pública além do sistema de pensões entrando em colapso.

O orçamento do próximo ano

O ministro Gilberto Kassab está tentando aumentar o orçamento para a ciência à frente da alteração. Seu pedido até 2017, incluídos em uma proposta do governo que ainda não foi votada pelo Congresso do Brasil, aumentaria o orçamento em 28% ( 5,9 bilhões de reais).

O MCTIC conseguiu incluir no orçamento anual um valor que é suficiente para atender as necessidades do setor – disse um porta-voz a Nature.

Davidovich discorda. Ele diz que, depois de contabilizar a inflação, a pesquisa precisa de pelo menos 10 bilhões de reais para coincidir com os níveis de gastos ciência federais de três anos atrás – por isso é bem abaixo do necessário.

Para mais espanto dos cientistas, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) foi ainda mais rebaixado dentro da nova estrutura do MCTIC ( comentei sobre isso aqui: Enquanto isso..o rebaixamento do MCTI). O conselho costumava ser um órgão independente cujo presidente se reportaria diretamente ao ministro da Ciência; agora, assim como outras instituições, como a Agência Espacial Brasileira se reportará a um diretor que por sua vez se reportará a um vice-ministro para a ciência. “Nós [a ciência] têm sido empurrado para o quarto nível”, diz Nader.

A desclassificação política vai tornar mais difícil para o conselho para lutar por recursos, diz Nader e Davidovich. No mês passado, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e da Academia Brasileira de Ciências entregou uma carta conjunta para Kassab protestando contra a medida. O ministro disse que ele iria rever as alterações em janeiro.

Agora, a ciência brasileira enfrenta uma nuvem de incertezas. Conforme os pesquisadores pediram, a alteração poderia ser feita para poupar áreas sensíveis como educação e pesquisa. Os senadores também pode tentar poupar uma fatia específica do orçamento do MCTIC que vem de algumas empresas (como petróleo e telecomunicações), Davidovich pensa. “É difícil prever como a alteração pode se desdobrar no Senado..Mas, como alguém já disse.. no Brasil, até o passado é imprevisível”.

Gostou? Siga a página no Facebook também Unidades Imaginárias

Referências e leituras

Nature News: Brazil’s scientists battle to escape 20-year funding freeze

carta das instituições de pesquisa

Pensamento dispersos de uma futuro esquecido: o ministério da ciência, tecnologia e etc.

Enquanto isso..o rebaixamento do MCTI

Não falemos de crise, falemos de ciência!

Anúncios

Um comentário sobre “A luta dos cientistas do Brasil para escapar do congelamento de 20 anos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s