Adaga espacial? Não!

Capturar

Nesta semana, veio à tona da descoberta fantástica por um grupo de cientista italianos e egípcios. Eles analisaram uma lamina que pertenceu ao Faraó Tutancâmon e notaram que essa apresentava uma distribuição de metais incomum para formações rochosas da terra, que possivelmente o metal usado era originado de meteoritos.

Contudo, apesar da notícia fantástica, ainda há um grande desserviço por parte de alguns meios jornalístico. Para citar de cara a manchete da “superinteressante”

Faraó Tutancâmon tinha uma faca que veio do espaço

Bem, uma faca que veio do espaço e uma faca que utiliza metais encontrados em meteoros são coisas bem distintas. Qualquer leitor consegue notar isso. Porém não podemos contar com a sorte do leitor querer ler a notícia no mesmo portal, mesmo que lá ela “corrija” a falha da manchete ou esperar muito que a pessoa irá procurar o texto integral da reportagem( no caso o artigo).

Se tratando de Egito antigo, ainda tempos um problemas mais profundo quando muitas pessoas ainda acreditam que as pirâmides foram construídas por extraterrestre ou não se sabe até hoje com elas foram construídas, só faz alimentar mais a crendice popular sobre o Egito antigo. Bem com tudo isso, só podemos de fato acreditar que a cultura egípcia era como a figura abaixo.
avp5

Brincadeiras e ironias a parte, há um fundo de verdade nisso. Bem, o fato é que o artigo (científico) publicado por Comelli et all (2016) é bastante interessante e bem explicativo para leigos no assunto.

No artigo há uma rápida introdução da importância dos metais na evolução das civilizações, tanto que as eras antigas são divididas com nome de metais (idade do cobre, bronze e ferro). Nas áreas desérticas do Egito, em particular o deserto do oriente, eram ricas em minas e pedreiras que já haviam sido exploradas destes os tempos mais antigos.

No entanto, o uso do ferro no vale do Nilo ocorreu mais tarde do que nos “países” vizinhos, pois a produção de ferro não era fácil, precisando da construção de fornalhas de alta temperatura para extrai o metal das rochas. As primeiras datações desse ferro são de mil anos antes de cristo.  Por isso, assumia-se que objetos com ferro datadas antes desse período era possivelmente meteoros (de 3200 AC). A vantagem deste ferro meteórico e estar disponível na forma de metal (não oxidado) pronto para o uso. No entanto, devido sua raridade, as primeiras peças de ferro eram tão valiosas quanto o ouro, sendo usadas nesse primeiro momento como peças decorativas.

Nos últimos 50 anos diferentes estudos trataram o assunto da origem do ferro no antigo. Deste estudo históricos e antropológicos realizados por Piaskowski (1982). Quanto a análise da composição e da estrutura do ferro nos anos 70 por Bjorkam(1973). Mais recentemente, em 1994, a análise da lâmina de ferro do punhal de Tutancâmon por fluorescência de raios -X (XRF) mostrou um teor de Ni de 2.8%, porem esse valor se mostrou incompatível com o peso da lamina pelos autores (Helmi e Barakat,1995). A presença de níquel em quantidades superiores a 4%, presença de cobalto, e pequenas quantidades de outros elementos é geralmente associada com meteoritos ferrosos.

As fontes “meteóricas “ destes metais são compostas principalmente de Fe e Ni, com pequenas quantidades de Co, P, S E C além de outros elementos em menor quantidade. As suas composições químicas são tipicamente determinadas por meio de métodos analíticos, ainda destrutivas sensíveis, incluindo a análise por ativação com nêutrons instrumental (Wasson e Sedwick 1969) e espectrometria de massa com plasma indutivamente acoplado (D’Orazio e Folco 2003).

 No estudo em questão, foi realizada a espectroscopia por fluorescência de Raios X (XRF), sendo desta vez, uma nova metodologia muita mais precisas que a do estudo de 1994 e comparou-se o resultado com as fontes de ferro meteorito. O resultado da análise mostrou a presença de 10,8 ± 0,3% em massa de níquel e 0,58 ± 0,04% em massa de cobalto. Esses valores são condizentes com material meteórico. Assim, a descoberta só faz confirmar estudos de escavações de enterros importantes, como do próprio rei Tutancâmon, ter descoberto artefatos pré-idade do ferro de origem meteórica.
Assim como os únicos dois artefatos em ferro valioso do antigo Egito, até agora analisados com precisão, são de origem meteórica, é sugerido que antigos egípcios atribuída grande valor ao ferro de meteoritos para a produção de objetos ornamentais ou cerimoniais até a 14ª dinastias. Além disso, o estudo ajuda a compreender melhor alguns textos hieróglifos que descreviam esse tipo de material como “ferro do céu” indicando que esse povo assim como outros do mediterrâneo, já tinha associado que os meteoritos usados para a confecção desses artefatos vinham do céu, antecipando a cultura ocidental por mais de dois milênios. Portanto, não é uma faca espacial ou algo sinistro, é muito mais que tudo isso.

Gostou? Siga a página no Facebook também Unidades Imaginárias

Referencias e leituras

Reportagem Super Interessante:  Faraó Tutancâmon tinha uma faca que veio do espaço

Artigos

Comelli, D., D’Orazio, M., Folco, L., EL-Halwagy, M., Frizzi, T., Alberti, R., Capogrosso, V., Elnaggar, A., Hassan, H., Nevin, A., Porcelli, F., Rashed, M. G., Valentini, G. THE METEORITIC ORIGIN OF TUTANKHAMUN’S IRON DAGGER. Meteoritics & Planetary Science. 2016.

Piaskowski J. A STUDY OF THE ORIGIN OF THE ANCIENT HIGHNICKEL IRON GENERALLY REGARDED. In Early Pyrotechnology: the evolution of the first Fire-using Industries, edited by Wertime T. A. and Wertime S. F. Washington, D.C.: Smithsonian Institute. pp. 237–423.1982

Bjorkman J. K. METEORS AND METEORITES IN THE ANCIENT NEAR EAST. Meteoritics 8:91–130,1973.

Helmi F. and Barakat K. 1995. METALLURGY AND CONSERVATION OF METALLIC ARTIFACTS. Proceedings of the First International Conference on Ancient Egyptian Mining Egyptian Antiquities Organizational Press. pp. 287–289,1995.

Wasson J. T. and Sedwick S. P.. POSSIBLLE SOURCE OF METEORIIC MATERIALS.Hopewell Indian burial mounds. Nature 222:22–24, 1969

D’Orazio M. and Folco L CHEMICAL ANALYSIS OF IRON METEORITES BY COUPLE PLASM MASS SPECTROMETRY. Geostandards Newsletters 27:215–225, 2003.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s